O impacto da Leitura para Bebês sobre o
Desenvolvimento Cognitivo e da Linguagem é tema de seminário internacional na Bienal de São Paulo

Seminário traz especialistas internacionais á Bienal Internacional do livro de São Paulo neste sábado, dia 21 de agosto, para falar das evidências científicas da influência da leitura precoce sobre a inteligência e desempenho escolar posterior. Porque ler, como ler para crianças e a importância das políticas públicas voltadas a estimular essa prática serão temas abordados.

Ler para as crianças desde o berço tem forte impacto no desenvolvimento da linguagem e da cognição. Crianças que aos 3 anos de idade já possuem o hábito de leitura em família apresentam ao entrar na escola um vocabulário 300% maior que aquelas que não tiveram contato com livros. Aos 10 anos, as diferenças no desempenho escolar são bem perceptíveis. É o que mostram inúmeros estudos internacionais.

Para trazer esta discussão para o Brasil e estimular programas focados nessa faixa etária, o Instituto Alfa e Beto (IAB) está promovendo um debate com dois dos maiores especialistas mundiais no assunto, dia 21, em São Paulo, na Bienal Internacional do Livro.

Confira a programação do seminário - promovido em parceria com a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo - e outras informações sobre os programas que o IAB está lançando para estimular a leitura em família para crianças pequenas:

"Leitura desde o berço: políticas sociais integradas para a Primeira Infância"

Data: 21/08/10 - das 11h às 13h
Local: Bienal será no Pavilhão de Exposições do Anhembi
Av. Olavo Fontoura, 1.209, Santana - São Paulo - SP - CEP 02012-021
Telefone: 11 2226-0400
Stand será na Rua O, nº 23
Seminário: Auditório Monteiro Lobato

Inscrições no site: http://www.alfaebeto.org.br

Foco: O impacto da leitura desde o berço sobre o desenvolvimento da linguagem, da cognição e seus efeitos positivos no desempenho escolar.

Programa:

Leitura e desenvolvimento da linguagem: o que dizem as pesquisas
David Dickinson, professor e pesquisador da Universidade de Vanderbilt (EUA)

Como ler com as crianças
Perri Klass, pediatra, escritora e professora de pediatria e jornalismo, Universidade de New York (EUA)

Inserindo a leitura nas políticas sociais
João Batista Oliveira, presidente do IAB

Sobre os palestrantes:

o David Dickinson é doutor em educação pela Universidade de Harvard e especialista em alfabetização. No Brasil, apresentará estudos científicos que relacionam positivamente leitura precoce e desenvolvimento da linguagem. Professor e pesquisador da Universidade de Vanderbilt, Dickinson dedicou sua vida à analise dos fatores que levam ao êxito da alfabetização, especialmente em crianças de classes sociais mais baixas, com menos estímulos lingüísticos e culturais no ambiente familiar.

Após estudar as relações entre aquisição de vocabulário e evolução da capacidade conceitual, desenvolvimento da linguagem, alfabetização e cognição, Dickinson trabalhou na concepção de intervenções e ferramentas que melhorassem o apoio da pré-escola ao desenvolvimento das crianças nessas áreas, tendo elaborado currículo para esse nível de educação.

Seus trabalhos comprovam ser possível, aos quatro anos, identificar as crianças submetidas a alguma forma de atendimento prévio e constatar que a qualidade da linguagem no ambiente da pré-escola influencia o desempenho escolar posterior. (David.dickinson@vanderbil.edu)

o Perri Klass é pediatra, pesquisadora, jornalista e escritora. Falará sobre como ler para crianças, de maneira a fornecer os melhores estímulos para o desenvolvimento de cada faixa etária.
Klass foi responsável por transformar um programa de estímulo à leitura infantil de um único hospital em um programa nacional - o Reach Out and Read -, que desenvolve atividades em mais de 4, 5 mil centros em 50 estados nos EUA.

Além de treinar médicos e enfermeiras para que estimulem os pais a ler para seus filhos pequenos, o programa fornece material adequado, distribuindo anualmente mais de 6 milhões de livros para mais de 3,8 milhões de crianças. Klass trabalha atualmente treinando profissionais de saúde em todo o território norte-americano - e recentemente em Portugal e Filipinas - na estratégia de incorporar livros e orientações bibliográficas nas atenções pediátricas primárias. (perri.lass@nyu.edu)

Sobre o fundador do IAB:
o João Batista Oliveira é psicólogo com PhD em Educação, trabalhou como professor no Brasil e no exterior. Como funcionário do Banco Mundial, em Washington, e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra, trabalhou como consultor, desenvolvendo projetos na área de educação em mais de 60 países. Mais recentemente, foi consultor na revisão do documento que o Banco Mundial está elaborando para a área de políticas para a Primeira Infância. Hoje, preside o IAB.

No seminário, explorará exemplos concretos de boas políticas públicas, dirigidas a inserir o hábito de ler para crianças pequenas nas famílias, nas creches e entre seus cuidadores. Programas de distribuição de livros, de incentivo a mães crecheiras, assim a capacitação de babás e professores de pré-escola são alguns dos exemplos abordados. (jmeduc@gmail.com)

Alguns trechos de entrevistas dadas pelos palestrantes:

David Dickinson:
"É importante ler mesmo para um bebê que ainda não fala, mas não se trata de ler um conto de fadas. Os primeiros livros devem ter apenas imagens e o tempo para folheá-los deve ser breve. O importante é ler com regularidade, de preferência todos os dias, e tornar a experiência agradável", explica David Dickinson. Os pais, diz ele, devem usar as imagens do livros como base para iniciar uma conversa com a criança: "Faça perguntas sobre a figura ou sobre a história. Não se limite a ler as palavras e virar a página."

"A capacidade de se manter focada em uma atividade também é beneficiada pelo hábito de leitura. Quando assistimos à TV ou usamos o computador, a tecnologia prende nossa atenção. Já quando lemos um livro, precisamos fazer esse trabalho sozinhos."

João Batista Oliveira:
"A interação com adultos é fundamental para o desenvolvimento da linguagem e o aprendizado se dá pela imitação", diz o presidente do IAB, João Batista Oliveira. "Mas a linguagem oral tem um vocabulário restrito e uma sintaxe simplificada. O livro, por mais simples que seja, obedece às regras da linguagem escrita, que é a mesma que a criança vai encontrar na escola... E, se o vocabulário é o tijolo do pensamento, a sintaxe é a argamassa. Quanto maior o vocabulário e mais articulada a sintaxe, mais temos sobre o que pensar e mais ferramentas para fazê-lo. Essa maior capacidade de raciocínio e compreensão favorece tanto o desempenho em disciplinas como português e matemática como nas demais", conclui o professor João Batista Oliveira.

IAB lança programas para crianças de Zero a 3 anos

O Instituto Alfa e Beto (IAB), instituição dedicada à educação, com foco especialmente em alfabetização, está lançando programas voltados para crianças na faixa de zero a 3 anos por ser essa uma etapa crítica, na qual estímulos e condições adequadas são essenciais para assegurar o pleno desenvolvimento. A quantidade e qualidade dos estímulos recebidos nessa fase podem determinar diferenças de vocabulário que variam de 3 mil a 10 mil palavras quando as crianças chegam à idade escolar. Uma desigualdade que a escola dificilmente poderá compensar e que é particularmente grave num país com disparidades sociais tão grandes como o Brasil.

Por isso o IAB se capacitou para prestar apoio a elaboração e implementação de políticas públicas para a Primeira Infância e busca parceiros para desenvolver programas que têm por objetivo estimular o hábito de leitura para essa faixa etária, sobretudo entre as famílias de nível sócio-econômico mais baixo. Esses programas prevêem, entre outras coisas: distribuição e empréstimos de livros adequados, capacitação de agentes de leitura e professores de creches; e visitas domiciliares para orientação de familiares e cuidadores sobre a importância e a melhor maneira de ler para crianças pequenas.

O programa já desenvolveu projetos em parceria com a UNESCO, o Instituto Geia e a Fundação Reach Out and Read - que promove leitura para crianças em mais de 4,5 mil hospitais dos EUA.

Na área de apoio ao desenvolvimento de políticas públicas focadas na Primeira Infância, o IAB oferece: diagnósticos e subsídios para a elaboração de políticas em todas as áreas, avaliação e formulação de propostas para a melhoria da qualidade do serviço prestado pelas creches; desenvolvimento de estratégias alternativas de atendimento e implementação de projetos de leitura. Para o aprimoramento das ferramentas utilizadas por essas políticas públicas, o IAB está estruturando um Centro de Referência que desenvolverá pesquisas relacionadas ao atendimento a crianças e famílias em diferentes contextos institucionais.

Sobre a importância de ler para bebês

A leitura é muito importante mesmo em fases muito precoces. Já durante a gestação, o bebê aprende a identificar vozes, ritmos e características da língua que aprenderá a falar. Com poucas semanas, identifica textos e cantigas que a mãe lia, recitava ou cantarolava durante a gravidez.

Mesmo antes de aprender a ler, o contato com livros e com a leitura feita por adultos ajuda a criança a aprender uma linguagem diferente -- e mais complexa -- do que a usada no dia a dia. Os livros desempenham várias funções que vão muito além de uma boa conversa. Eles introduzem diferentes maneiras de comparar e apreender o mundo, já que os objetos reais são representados por meio de figuras, palavras e sinais, dando início a formas variadas de abstração. São diversas linguagens usadas para aprender sobre o mundo. Os livros permitem desenvolver vocabulário muito mais amplo do que o usado corriqueiramente. E o vocabulário constitui o tijolo básico da construção mental: nós pensamos a partir de conceitos, e as palavras nos permitem pensar nos conceitos.

A leitura propicia o contato da criança com estruturas sintáticas muito mais complexas do que as usadas no quotidiano. Essas estruturas possibilitam desenvolver formas mais complexas de se expressar e conhecer o mundo, favorecendo o desenvolvimento cognitivo da criança. Livros permitem aos adultos conversar com as crianças sobre uma variedade de temas muito mais ampla do que a que surge espontaneamente no dia a dia, possibilitando também novas abordagens sobre temas cotidianos, já que trazem os sentimentos, os medos, os sonhos, as emoções, as opiniões de outras pessoas, as realidades que não estão no dia a dia da criança. Livros permitem à criança se deliciar com os sons, rimas e ritmos da língua, conhecimentos que são essenciais para o futuro processo de alfabetização. Livros permitem introduzir as crianças ao mundo das letras, das palavras, das formas de expressão que mais tarde serão muito usadas na escola.

As evidências científicas sobre a importância da formação precoce do hábito de leitura são impressionantes. Uma delas trata do vocabulário. As crianças começam a falar entre 15 e 18 meses. Já aos 20 meses de idade, a diferença de vocabulário entre crianças variar de 200 a 600 palavras - dependendo do nível socioeconômico das famílias. Essa diferença vai só aumentando - quando chegam ao ensino fundamental, já se criou um fosso insuperável. Livros e leitura podem ajudar a reduzir esse fosso e a reduzir as desigualdades sociais. Eles são um poderoso mecanismo de redução de desigualdades sociais e do círculo vicioso da transmissão da pobreza. Outra evidência impressionante: as crianças que aos 3 anos de idade já possuem o hábito de leitura em família apresentam, aos 10 anos, desempenho escolar superior ao de crianças que não adquiriram esse hábito. Isso ocorre em todas as classes sociais.

Biblioteca do Bebê na Bienal do Livro de São Paulo

Além do seminário, o IAB apresenta na Bienal Internacional do Livro (entre 12 e 22 de agosto) a Biblioteca do Bebê, onde serão feitas demonstrações das melhores técnicas de leitura para as diferentes faixas etárias entre zero e quatro anos, ou seja, aquelas que propiciam estímulos mais eficientes para o desenvolvimento infantil em cada etapa. A demonstração será complementada com o lançamento de uma cartilha explicativa sobre a melhor maneira de ler para cada idade, uma coleção de livros adequada para crianças de até 3 anos e um catálogo com os "Guia IAB de Leitura para a Primeira Infância: os 600 livros que toda criança deveria ler antes de entrar na escola".

Lançamentos do IAB para a Primeira Infância

"Guia IAB de Leitura para a Primeira Infância: Os 600 livros que toda criança deve ler antes de entrar para a escola"

O IAB lança agora em agosto o catálogo "Os 600 livros que toda criança deve ler antes de entrar para a escola". O objetivo é estimular o hábito de leitura em família, com a meta de ler para as crianças de seis meses a seis anos 100 livros por ano, dois por semana. Ler para crianças pequenas é fator essencial para assegurar o desenvolvimento da linguagem, do vocabulário, da sintaxe e, dessa forma, melhor preparar as crianças para ter sucesso na escola.

O catálogo visa orientar pais, educadores e bibliotecas sobre os tipos de livros e leituras adequados para cada idade. Para isso, a publicação traz as obras organizadas em seis faixas etárias, de 1 a 6 anos, com cerca de cem títulos para cada uma. Cada obra é apresentada com uma resenha e indicações a respeito dos temas abordados.

Outro objetivo é oferecer às crianças brasileiras um conjunto mínimo de leituras que lhe possibilitem um conhecimento amplo do mundo, do funcionamento dos objetos, da nossa cultura, da cultura universal, enfim, um fundo comum de conhecimentos que toda criança brasileira deve adquirir. Para isso, inclui não apenas livros de literatura, mas também livros informativos, descritivos e livros sem textos para bebês.

O catálogo foi desenvolvido com a colaboração de dois painéis de especialistas representando diferentes enfoques e pontos de vista - literatura geral, literatura infantil, ilustração, editoração, psicologia do desenvolvimento e educação.

IAB lança cartilha e vídeo sobre como ler para bebês

O IAB está lançando também a cartilha Primeira Infância Primeiras Leituras, que explica as melhores técnicas de ler para bebês e crianças pequenas, interagindo com elas de forma a estimular ao máximo o desenvolvimento de cada fase. Escrita com linguagem simples e clara, a publicação traz exemplos concretos fáceis de utilizar. Mesmo pessoas com pouca escolaridade e dificuldade de leitura podem ler e estimular seus filhos a ler, desde pequenos. Na cartilha, pais e educadores encontrarão informações simples e práticas sobre o que ler, como ler, por que ler, onde ler e quando ler para crianças.

Com o mesmo objetivo, está sendo lançado o DVD "Leitura desde o Berço: Como ler para bebês", que traz exemplos concretos de pais, mães, babás, avós lendo para crianças de 6 a 36 meses. Também apresenta informações e dicas concretas sobre como os adultos podem ajudar o desenvolvimento da linguagem e do vocabulário das crianças lendo de forma interativa, espichando conversa, estimulando a criança a participar ativamente da leitura e, dessa forma, adquirir o hábito e o gosto pela leitura.

A Coleção Pequenos Leitores

O Instituto Alfa e Beto (IAB) lançará na Bienal a Coleção Pequenos Leitores. Trata-se de um conjunto de 12 livros destinados a crianças de 6 a 36 meses. Essa faixa etária está dividida em sub-faixas de seis em seis meses, com livros específicos para cada uma: sem texto, com palavras ou com pequenas histórias. O objetivo da coleção é ilustrar os tipos de livros adequados às diferentes faixas etárias, bem como demonstrar como os pais podem usar esses materiais para ler para as crianças, desde o berço. Na contracapa são apresentadas orientações para leitura, adequadas para as diferentes idades.

Fonte: assessoria de imprensa

Siga-me por Email