Levantamento Anual do Segmento de Livrarias de 2010 da ANL evidencia que cerca de 1/3 deste segmento não chega a faturar   R$ 1.200 milhões por ano, ou seja, menos de 100 mil por mês


A Associação Nacional de Livrarias (ANL) realizou seu Levantamento Anual do Segmento de Livrarias junto a suas associadas — que representam 67% do setor entre pequenas, médias e grandes livrarias —, uma amostragem sobre o faturamento deste setor no Brasil.

O crescimento médio para 2010 comparativamente ao ano de 2009 foi de 9,6%, reflexo direto do crescimento econômico brasileiro, como um todo. Neste Levantamento foi identificado que 32,35% têm um faturamento anual menor que R$ 1,200 milhões; 29,41% faturam entre      R$ 1,2 milhões e R$ 9,6 milhões; e 38,24% acima de R$ 9,6 milhões. Uma concentração cada vez maior do faturamento nas grandes redes.

“Esta tendência está cada vez mais evidente, com o fechamento de livrarias independentes em todo o país e o avanço das grandes redes, antes localizadas na região sudeste do país, em todo o território brasileiro. Lembrando aqui que 2/3 dos municípios brasileiros não possuem qualquer livraria”, identifica Vitor Tavares, presidente da ANL.

O Levantamento Anual do Segmento de Livrarias de 2010 da ANL evidencia que 41,94% dos entrevistados – que representam 453 lojas, em todo o Brasil – trabalham exclusivamente com livros; e a venda de livros representa  50% do faturamento de 83,87% dos entrevistados.


Exemplares vendidos

Entre os entrevistados, 18,75% vendem até 10 mil livros por ano; as faixas que agregam as vendas entre 10 a 50 mil livros/ano representam 15,63%; vendas acima de 50 até 250 mil exemplares, 25%; numa pequena faixa de 9,38% dos entrevistados as vendas atingem até 500 mil exemplares; e acima de 500 mil unidades, 31,25%.

 Vendas Eletrônicas

Um dado bastante preocupante é que apenas 48,57% dos livreiros entrevistados trabalham com e-commerce. Nesta fatia do mercado estas vendas se apresentaram no faturamento de  2010 da seguinte forma: 


Para  21,43% a venda por e-commerce representa  3% do faturamento
Para  14,29% a venda por e-commerce representa  7% do faturamento
Para  28,57% a venda por e-commerce representa  8% do faturamento
Para  21,43% a venda por e-commerce representa 30% do faturamento
Para   7,14%  a venda por e-commerce representa 12% do faturamento
Para   7,14%  a venda por e-commerce representa 90% do faturamento

“Quando muito se fala da questão da entrada do livro digital no mercado como o grande problema para os livreiros menores, não vejo assim. O maior desafio será como oferecer todas essas novas demandas, é sabido que investimento em tecnologia é caro e que a maioria dos pequenos e médios livreiros não dispõem de capital adicional para fazer grande investimento nesse setor. Não consigo imaginar a livraria do futuro sem um bom sistema de informática; banda larga a serviço do seu pessoal operacional e à disposição dos clientes; sem um e-commerce dinâmico e atualizado; sem participação nas redes sociais; sem Wi-Fi  para seus funcionários e clientes; sem a venda de e-books; sua e-digital; e, principalmente, sem bons funcionários, altamente treinados, e bom atendimento”, enfatiza Vitor.

Para o executivo, este alarmante dado de que 51,43% das livrarias entrevistadas não possuem vendas por e-commerce, demonstra que o problema central está onde encontrar financiamentos para todo esse investimento. “Mais do que adaptar-se ao livro digital, o livreiro independente tem que buscar atualizações tecnológicas, em todas as áreas de seu estabelecimento e, principalmente, ter capital de giro; são esses os nossos verdadeiros desafios imediatos. Lembro, ainda, que o cliente está cada vez mais informado, exigente e menos fiel. Nossa tarefa será compreendê-lo, atender as expectativas e retê-lo em nossos negócios, com programas eficazes de fidelidade. Quem não estiver atento a tudo isso, aí sim, poderá desaparecer”, complementa.

Investimentos para 2011

Com esta preocupação de sensibilizar seus associados da importância de modernização, em todas as áreas da empresa, a ANL perguntou se haveria investimentos, ainda em 2011, e 78,13% disseram que sim, haverá algum tipo de investimento, na seguinte ordem de interesses:


35% na capacitação profissional
29% em ampliação ou reforma de (as) loja(s)
25% investimento em tecnologia
  9% em abertura de novas lojas
  2% em outras áreas


A amostragem destaca, ainda, os segmentos que mais cresceram.


ü  As 5 áreas de maior representatividade em vendas em 2010

O levantamento não apresenta porcentagens deste aumento comparativamente a 2009. A questão apenas solicita as áreas de maior crescimento.


1º Infanto-Juvenil
2º Auto-Ajuda/ Esotéricos
3º Acadêmicos
4º Lit. geral - Ficção
5º Lit. geral - Não Ficção



ü  As 5 áreas que mais cresceram em vendas em 2010

O levantamento não apresenta porcentagens deste aumento comparativamente a 2009. A questão apenas solicita as áreas de maior crescimento.


v     1º Infanto-Juvenil
v     2º Lit. geral - Ficção
v     3º Lit. geral - Não Ficção
v     4º Acad. - Ciênc. Humanas
v     5º Auto-Ajuda/ Esotéricos











ü  Mais vendidos em 2010


v     Ágape - Autor: Padre Marcelo Rossi - Editora: Globo

v     A cabana - Autor: William P. Young - Editora: Sextante

v     1822 - Autor: Laurentino Ramos - Editora: Nova Fronteira

v     Querido John - Autor: Nicholas Parks - Editora: Novo Conceito

v     Comer, rezar e amar - Autor: Elizabeth Gilbert - Editora: Objetiva

v     Amanhecer - Autor: Stephenie Meyer - Editora: Intrínseca

v     Por que os homens amam as mulheres poderosas - Autor: Sherry Argov - Editora: Sextante

v     1808 - Autor: Laurentino Gomes - Editora: Nova Fronteira

v     O símbolo perdido - Autor: Dan Brown - Editora: Sextante

v     O vendedor de sonhos - Autor: Augusto Cury - Editora: Academia



ü  Estados onde estão localizadas as lojas: 23 Estados Brasileiros



AC
AM
BA
CE
DF
ES
GO
MA
MG
MS
MT
PA
PB
PE
PR
RJ
RN
RO
RR
RS
SC
SE
SP



ü  Das livrarias que participaram do levantamento, com relação ao
    número de lojas que representam

455 lojas

ü  Relação da Livrarias participantes



Alternativa Cultural / Syllos Colus E Cia  = 1 loja
Arco-Íris Livraria (F. Franco & Cia Ltda) = 1 loja
Asabeça = 1 loja
Ave-Maria = 9 lojas
Casa Cultural Saber e Ler Livraria Ltda = 1 loja
Casa De Livros = 1 loja
Livraria Cortez = 1 loja
Curitiba S/A = 18 lojas
Digital Ltda = 2 lojas
Disal S.A = 15 lojas
Dom Oscar Romero = 1 loja
Dona Traça = 1 loja
Escariz Ltda = 5 lojas
Feira do Livro - LFL Comércio E Serviços De Livros Ltda - Me = 1 loja
Leitura Ltda = 29 lojas + 1 virtual
Letra Viva - São João da Boa Vista = 1 loja
Loyola = 4 lojas
Maneco, Do = 8 lojas
Napoleão Ltda ME = 1 loja
Nobel - são franquias = 206 lojas
Nova Livraria Leonardo da Vinci = 1 loja
Potylivros Distribuidora Ltda = 10 lojas
Pronadi Com. e Livros E Brinquedos Ltda = 1 loja Saraiva = 93 lojas
Senac Rio = 1 loja
Toque de Letras Comércio de Livros Ltda = 1 loja
Travessa, Da = 8 lojas
UNB - Universidade De Brasília = 3 lojas
Unilivros Com de Livros e Art de Papelaria  = 1 loja
Varejão do Estudante = 1 loja
Veredas Livraria Ltda = 2 lojas
Vida = 2 lojas
Vila, Da = 5 lojas
Vozes Ltda = 19 lojas


ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Associação Nacional de Livrarias (ANL) e
MGA Comunicações (Assessoria de Imprensa da ANL)
Coordenação Geral: Vitor Tavares
Consultor Livreiro: Guto Kater
Jornalistas responsáveis pelo Levantamento:  
Marilu G. do Amaral (mtb 14.830) e Carina Gonçalves (mtb 48.326)
e-mail: imprensa@anl.org.br
fone: 11 2991 2934



Siga-me por Email