A Moral Universal

Especial Bienal do Livro:

Você é livre?  Exerce o livre-arbítrio?

Será que somos livres ou possuímos de fato o livre-arbítrio como pensamos? Será que a natureza exerce seu poder de persuasão em nós sem que percebamos e, assim, criamos uma falsa ilusão de que temos a capacidade de exercer tudo e qualquer atividade de interesse pessoal? Todos os temas são polêmicos e suscitados na nova obra da Martins Fontes – Selo Martins: A Moral Universal ou os Deveres do Homem Fundamentados na sua Natureza”, escrita pelo filosofo, autor e enciclopedista franco-alemão Barão Paul Henri d’Holbach (1723-89), também conhecido como Barão d'Holbach. Além de ele ter sido uma figura proeminente do Iluminismo francês, foi um dos primeiros filósofos que criticou de maneira sistemática e com fundamentos a doutrina do livre-arbítrio. Dizia que a natureza é uma grande máquina e os seres humanos seus mecanismos particulares, em outras palavras, que as pessoas não possuem livre-arbítrio, deixando-se enganar pela própria consciência. A obra rica em seu contexto responde algumas perguntas e sugere reflexões sobre outros temas importantes, ainda hoje discutidos na sociedade.  

Abaixo segue o release editorial sobre a obra:


A Moral Universal ou
os deveres do homem fundamentados na sua natureza


Se viver feliz e viver segundo a natureza é uma e a mesma coisa, como afirma Sêneca na epígrafe do livro “A moral universal”, do grande iluminista Barão de Holbach, então é possível dizer que a verdadeira moral é aquela que deve servir à vida, é aquela que está a serviço da existência. O que vemos nessa obra é uma busca minuciosa pela compreensão dos fundamentos de uma moral que deve se assentar na natureza, que, antes de ser uma ideia abstrata, é aquela que nos constituiu concretamente, materialmente. Essa natureza da qual somos parte, e que está por todo lado, e também dentro de nós, e que, para Holbach, só se encontra vedada aos que insistem em permanecer de olhos fechados para o mundo.

Sobre o autor: Barão de Holbach (1723-1789) nasceu e foi educado na Alemanha, mas se naturalizou francês em 1749. Herdeiro de uma grande fortuna, ele transformou seu salão num grande centro de reunião de filósofos e enciclopedistas. Ateísta, determinista e materialista, opunha-se à monarquia absoluta, à religião do Estado e aos privilégios feudais. Por isto, é considerado um dos intelectuais mais radicais do seu tempo. O seu trabalho mais famoso é o Sistema da Natureza, de 1770. Faleceu em 1789, nas primeiras semanas da Revolução Francesa.


Ficha Técnica:
Título: A Moral Universal - Ou Os Deveres Do Homem Fundamentados Na Sua Natureza
Autor: Barão de Holbach / Tradução: Regina Schöpke e Mauro Baladi
Editora: Martins Fontes - Selo Martins
Ano de Publicação: 2015 /  Páginas: 896 / Valor: 49,00
Site: http://www.livrariamartinseditora.com.br/moral-universal-a-ou-os-deveres-do-homem-fundamentados-na-sua-natureza-p24045/

Informações para a Imprensa:
JCG Comunicação – Carina Gonçalves – jornalista responsável
 Fones: 11-4113-6820 / contato@jcgcomunicacao.com

Siga-me por Email