Diário de uma anoréxica é um alerta sobre transtornos alimentares


Lançado pela editora LeiaSempre, Livro de Valéria Soares relata sua experiência de vida com a doença, além de informações científicas sobre o assunto

O Diário de uma anoréxica, de autoria de Valéria Soares, chega às livrarias pela editora LeiaSempre (R$ 39,90, 335 páginas) trazendo um alerta sobre a anorexia e outros transtornos alimentares. São distúrbios que acometem muitas pessoas, principalmente mulheres na adolescência e juventude. Este, no entanto, não foi o caso da autora. Ela recebeu o diagnóstico de anorexia no final de 2005, aos 40 anos, idade em que o transtorno não é tão comum. Junto com o diagnóstico veio outra sentença desanimadora: tinha apenas três meses de vida. Ou seja, só um tratamento sério e urgente poderia reverter o quadro.
Valéria Soares conta no livro como enfrentou o problema, o que teve de aprender sobre a doença e como conseguiu vencê-la. Fala ainda do relacionamento com jovens anoréxicas e bulímicas através da internet e do Proata (Programa de Assistência a Pacientes com Transtornos Alimentares), da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), onde se tratou, além de sites anoréxicos, depoimentos, receitas e explanação da doença com artigos científicos. "Também abordo a medicação (sua função e atuação) que tomei por todos estes anos e como cheguei à cura, dando assim uma grande guinada na minha vida pessoal e profissional", conta.

O livro fala de anorexia e bulimia, mas traz informações também sobre outros distúrbios, como vigorexia (obsessão por exercício físico), ortorexia (obsessão em relação aos padrões dos alimentos), drunkorexia (anorexia alcoólica) e obesidade. Valéria relata que, quando estava doente, procurava se informar sobre o que estava sentindo, mas tudo era muito confuso e não conseguia achar nada e nem ninguém para ajudá-la.

"Os pensamentos e sentimentos são angustiantes e obsessivos. Queria encontrar alguém que me ajudasse, queria saber como vivia uma pessoa com este transtorno, se tudo que eu sentia era real, e se sofriam como eu", relembra. "O meu livro poderá responder às perguntas de outras pessoas que estão passando pelo que passei", acrescenta.

No início da doença, ela conta que tinha pânico sobre o assunto. Com o tempo, foi percebendo que compreender a doença era o primeiro passo para buscar o tratamento de forma efetiva. "Resolvi encarar tudo, sabia do perigo do mundo psíquico em que eu poderia estar entrando, nem por isso desisti, passei a ter contato com meninas anoréxicas no Proata, vasculhava suas vidas, pegava e-mail, sites anoréxicos, telefones, indicações de amigas, e com o tempo fui me envolvendo neste mundo. Nunca me deixei influenciar por ele, pelo contrário, ele me assustava e isso me fazia ser forte e firme no meu objetivo, de entender todo o mecanismo psíquico de uma anoréxica para me curar", relata. Com tanta informação, acabou se apaixonando pelo assunto e em 2008 matriculou-se em um curso para estudar os transtornos alimentares.

O livro nasceu, então, dessa experiência de vida e das pesquisas e estudos sobre o assunto. Dessa forma, ele foi sendo construído numa narrativa real dos acontecimentos e sentimentos envolvendo a autora. Segundo ela, foram mais de quatro anos para concluir o livro, de dezembro de 2005 a fevereiro de 2010.

"Comecei a escrever depois de 11 internações em apenas um ano. Tinha recebido o diagnóstico de anorexia nervosa e purgativa e não sabia o que pensar; resolvi, então, escrever. O mundo não me entendia, por isso passei a escrever e me abrir com o notebook. "Vivia triste, angustiada, infeliz, queria morrer o tempo todo. Não conseguia comer. Não conseguia sorrir, por isso escrevia. Uma página do word me entendia mais do que qualquer pessoa", conclui.

A autora conta que a editora LeiaSempre se interessou por seu livro ao fazer uma pesquisa sobre transtorno alimentar no mercado e descobrir que não havia nenhuma publicação com o seu enfoque, muito menos escrito por alguém que conseguiu se curar. A obra tem distribuição nacional e em agosto a autora autografará o livro no estande da editora na Bienal do Livro, em São Paulo. Durante a Bienal, ela também autografará o livro infantil O Pintinho, da mesma editora, que aborda como tema a mentira.

Sobre a autora
Valéria Soares nasceu em 7 de setembro de 1964 em Presidente Venceslau (SP), mas vive em Taubaté, região do Vale do Paraíba. É mãe de três filhos, Natali de 24 anos, Rafael de 22 e Lucas de 20. Estudou música desde os 6 anos de idade, quando descobriu a vocação para o piano. Fez inúmeros cursos para se aperfeiçoar em músicas populares e musicalização infantil. Em 1999, criou um método através das cores para ensinar crianças não-alfabetizadas a tocar piano. Com este trabalho chamou a atenção de vários psicólogos e profissionais da área e foi trabalhar com autismo infantil e portadores de necessidades especiais, interessando-se pela musicoterapia, área em que atua até hoje em Taubaté e São Paulo (SP).

Fonte: assessoria de imprensa

Siga-me por Email